segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Entre estradas e rodovias


Acredito firmemente que podemos conhecer um povo pelo tipo de caminho que ele constrói, e a diferença de se andar por Minas ou por São Paulo é incrível. Já começa pelo nome: você dificilmente vai ver um mineiro chamando uma rodovia de rodovia, aqui em minas, pavimentada ou não, é estrada e pronto. Em São Paulo, é rodovia e com nome e sobrenome é Washington Luiz, Cândido Portinari, Raposo Tavares, Castelo Branco e até a mais próxima daqui, Adhemar Pereira de Barros.
Se as rodovias de São Paulo são maiores, mais bem equipadas e com o asfalto perfeito, em Minas, nós temos muito mais buracos e bem menos pedágios. Costumo brincar que em Minas a gente não anda porquê não tem estrada, em São Paulo, porque não tem dinheiro para o pedágio. O que mais me encanta nas estradas de Minas, são as paisagens: você consegue andar uns bons 500 quilômetros nas rodovias paulistas vendo os mesmos elementos – laranjais, canaviais, cafezais, uma ou outra indústria, laranjais, canaviais e cafezais outra vez. O paulista, antenado nas exigências econômicas e no melhor fluir de carros e mercadorias, fez rodovias sem curvas, com retas que tendem ao infinito, na ânsia de chegar mais rápido, sacrificou-se tudo o que era natural ou ímpar. Quando você viaja por Minas, no entanto, vê-se o cuidado com que o mineiro fez seus caminhos: com jeitinho, delicadeza, desviando do que tinha de muito difícil no caminho, elas foram construídas para levar em um ritmo natural onde cada viagem é um mergulho na natureza - árvores, flores, pássaros, nada foi excluído ou deixado de lado. Não há poesia que se compare a uma estrada pelo interior de Minas: às vezes parece que você fez uma viagem no tempo, o carro passando por cidadezinhas, as pessoas na janela, as casas de barro, até o tempo passar diferente, mais devagar. São Paulo, é ritmo frenético:buzina, luz alta, sai-dessa-pista-que-eu-tenho-horário-para-chegar-e-estou-sempre-atrasado, é viaduto, concreto, engarrafamento e assombro. Minas é verde, gente sem pressa, casa entre bananeiras e sossego.

6 comentários:

Betty Gaeta disse...

Oi Mayara,
Me desculpe discordar, mas amo as rodovias paulistas e quando as percorro me sinto na Europa. Nossas paisagens e rodovias não perdem em nada para as francesas!
Gosto até do pedágio, pois é caro, mas tornou nossas rodovias eficientes, transitáveis e muito seguras. Nem assaltante consegue assaltar por aqui, pois as câmeras de segurança pegam tudo. Antes tudo funcionasse tão bem qto as rodovias paulistas. Por causa delas é que gosto da ideia de privatização, pois elas são a prova de que tudo que funciona bem, está bem longe das garras do governo.
Tenha uma ótima semana.
xoxo

Gosto disto!

AnaCristina disse...

até suspirei!!! seus textos sao otimos e verdadeiros! concordo! e minha estrada preferida é a Adhemar Pereira de Barros!!

Flávia Shiroma disse...

Oi Mayara! Até concordo com a Betty em partes. Sou paulistana e bem urbana também, adoro um asfaltinho!!! rsrs... mas confesso que atualmente bem que trocaria tudo por umas férias no meio desses cafezais!!! Eita coisa boa sô!!!!!

Bjs

.maysa. disse...

Oi Mayara!
Gostaria muito de conhecer Minas!
Sou do interior do Paraná e lá também é um lugar pacato, cheio de paisagens, plantações...
Amo lugar assim, estrada de terra, lama quando chove, frutas direto do pé... Ai ai sou do interioRRRRe amo isso!
Quando eu era criança eu morava na roça, estudei por alguns anos em escola rural. Brincava entre o mato/paisagens. rs.
Que saudadeees!

beeeijos

Adelaide Araçai disse...

Que dizer das nossas rodovias ...aqui são PR e o nr. Não são dotadas de nome e sobrenome...rsrs Mas sabe eu entendo este seu encantamento e é isso que gosto quando viajo....poder observar os diferentes povos deste nosso imenso Brasil, analisando apenas o que consigo ver através da janela do carro. Até a vegetação aqui em nossa região temos as Araucárias e uma tonalidade verde mais escuro nas matas fechadas, diferente dos tons que observei em São Paulo e Minas...rsrs
Cada Estado Brasileiro tem uma particularidade que acho encantadora....e olha eu gosto bastante do concreto e das boas rodovias.

Muita Luz e Paz
Abraços

patty disse...

Meu Deus! Eu me esforço para escrever em "brasileiro universal", ou seja, utilizando um vocabulário compreensível em todo o país, mas pelo jeito isso é impossível. Estrada, rodovia, para os gaúchos é FAIXA. É ali, "na beira da faixa" (traduzindo: às margens da rodovia). Às vezes eu traduzo por "pista", na pressa, qdo não vem rodovia ou estrada na cabeça.
E aqui temos um pouco de Minas e um pouco de SP, depende: se a rodovia tem pedágio ou não. Se não tem pedágio, a estrada é mineira:) E se tem pedágio, é rodovia, em linha reta, com um bom asfalto (e bem cara!).
Bjs.