segunda-feira, 28 de novembro de 2011

A magia nossa de cada dia

  
  Vivemos, cada vez mais, em um mundo racional, onde as ideias e pessoas são mais pensadas do que sentidas. Eu sempre fui coração e me recuso a ver o mundo de maneira tão objetiva: o Sol não pode ser só a estrela principal do sistema do qual fazemos parte e ter como temperatura do núcleo de ~15,7 × 106 K. Para mim, o Sol é brincadeira em dia que o céu está azul, é poesia quando aparece em dia de chuva e nos traz cores, é deitar na grama, pensar na vida e adivinhar formas em nuvens. Mais do que ser racional, eu acredito que nós precisamos cada vez mais de magia no mundo: saber fatos não nos faz mais felizes, só tem nos tornado mais frios e desligados. 
  Percebo  a busca da magia do mundo, a fuga das leis da física e da química cada vez mais na literatura: se olharmos os livros mais vendidos ou os últimos lançamentos das grande editoras, perceberemos que em grande parte encontraremos livros sobre o fantástico, o sobrenatural. 
  O ser humano têm precisado acreditar que existe algo que não vê: se o mundo está cada vez mais explicado, buscamos crer em coisas que não são tangíveis, pois precisamos de coisas lindas e subjetivas para nos sustentar no trabalho cotidiano, no fazer as compras ou limpar a casa. Fadas, anjos, vampiros estarem na moda são um pedido de socorro de uma geração que sabe demais, mas precisa acreditar e sentir. 
  Eu, particularmente, adoro o sobrenatural, desde Marion Zimmer Bradley e a sua versão da corte de Arthur que exalta as mulheres e o que a gente tem de mágico, à Stephenie Meyer, com seus vampiros bonzinhos e pessoas que ainda acreditam em um mundo oculto de nossos olhos. 
  O nosso mundo é naturalmente fantástico, se pensarmos em como todas as coisas se encaixam perfeitamente, porém, saber explicar o porque dessa mágica, fez com que precisássemos de algo além, que os romances e aventuras de fantasia nos dão, nos permitindo suspirar por seres perfeitos como os anjos, ou romancear sobre lobos sarados que se apaixonam para sempre.

P.s. Falando em magia, a Paula do "Bookworms" está com uma promoção fantástica: ela vai sortear o livro "Julieta Imortal", com uma trama que promete ser incrível. Quem quiser participar, é só clicar aqui.

5 comentários:

Cíntia disse...

Olá,Mayara!Adorei seu texto :), tbm sou meio mística,acredito em um pouco de tudo!!Sabe que lendo esse texto me lembrou um lugar que considero mágico:São Thomé das Letras.
E as séries??O que vc anda vendo??
Bjss

Palavras Vagabundas disse...

Acabei de ler um livro fantástico "Os Magos" em que a conclusão é que o mundo atual não permite o homem ver o mágico à sua volta. Recomendo!
bjs
Jussara

Wilqui Dias disse...

oiiiiiiiiiiiiiiiiii, vim lhe vistar, dar um xerao e dizer...adoro sua visitas...seu carinho e sua paciencia mesmo com minha letrona né? kkkkkk talvez essa seja uam das coisas ´´magicas´´da vida. bjs

patty disse...

Pois eu acho que o mundo é só isso mesmo, mas não resisto a um livro sobrenatural. Talvez precise de terapia.
Bjs.

Adelaide Araçai disse...

Eu como diz minha filha, vivo num mundo a parte. Sou do tipo que cai na rua e se rola dando risada...rsrs Ama ver o nascer e o por do sol. Admirar a lua. Mas sempre se diz imortal. Assisto filmes e leio livros que envolvem o sobrenatural e entro na hstória como se aquilo fosse a minha relidade. O que me fascina é a imortalidade e o teletransporte. Creio ser estas as duas buscar únicas do universo que realmente valeriam a pena....Fiquei na dúvida será que de acordo com seu texto preciso de terapia....rsrs
Adorei sua reflexão!
Abraços