domingo, 12 de fevereiro de 2012

"Eu não sou tão triste assim, é que hoje eu estou cansada"



Dia desses uma amiga me disse que havia tido uma pisadeira. Ignorante que sou, fiquei chocada: descobri que embora não soubesse o que a palavra significava, vivia já há algum tempo, uma pisadeira da mais peculiares: a Amanda me contou que o termo se refere a acordar no meio da noite, por exemplo, saber que está dormindo, mas continuar preso no sonho;  ter consciência do seu corpo, e não conseguir movê-lo, impedindo a mudança dos acontecimentos e sofrendo, às vezes, de algo similar a um ataque de pânico.
O termo ficou martelando na minha cabeça por dias, até que finalmente percebi porque mexeu tanto comigo: faz semanas que me sinto presa a um sonho ruim, e não consigo me mexer. Não sei se é o excesso de trabalho, o barulho constante, o calor infernal que anda fazendo por essas bandas, mas simplesmente me sinto desconectada do mundo. Eu faço todas as minhas tarefas e cumpro com minhas obrigações: a casa tá limpa, as lições do espanhol feitas, o marido satisfeito e tudo como sempre foi. Só que  eu me sinto no piloto automático, como se não estivesse aqui. Faço o que é esperado de mim, mas fica difícil sorrir ou realmente me empolgar com as coisas. Até meus livros e séries foram negligenciados: quando eu tenho tempo a toa, não quero fazer nem pensar em nada, deito na cama olhando no teto, e ocupando a minha mente com as coisas que ainda me faltam por fazer. Não sei se é ansiedade, desespero ou angústia, ou um pouquinho de cada um deles. Também não sei de onde vem, mas me sinto tão cansada, tão cansada, que meu corpo não quer descansar: é como se seu parar por um segundo e respirar mais forte eu fosse desmoronar.
Só queria acordar e conseguir me mexer, sentir quais são afinal as amarras que me prendem, e tirar esse pés do meu peito.

4 comentários:

Suzala Moura disse...

May, até procurei o seu e-mail aqui, pq pra te mandar um pra contar minha saga com pesadelos...a pisadeira (o povo fala isso aqui tb) me pegou por um bom tempo em 2011 e eu tenho os mesmos sintomas que vc...triste, desanimada...até que meu marido me mandou procurar um médico, que me encaminhou para um especialista em psiquiatria e claro, descobriu apenas o que eu já sabia...um transtorno de ansiedade terrível, que me paralisa, que me faz ter sonhos horrorosos, que me tirava do mundo...agora estou em tratamento e posso dizer que melhorei uns 50%, mas vou começar com terapia no mês que vem...nossa mente tem mais coisas escondidas do que a gente pensa...beijos e se precisar, estou aqui...(suzala.moura@gmail.com)

patty disse...

Acho que vc é muito calma, Mayara. Sei lá. Eu dou umas explodidas qdo vejo que as coisas não vão bem. E saio da rotina, digo "chega", hj não estou para ninguém, só vou deitar no sofá e escutar música. Faço alguma coisa criativa ou pego o carro e vou passear, não sou muito certinha não. A rotina me deixa entediada, então a evito. Bjs e melhoras.

Adelaide Araçai disse...

May o mais interessante é tentar mudar o rumo dos pensamentos antes de deitar, tentar uns 30m antes relaxar, tomar um banho e se for possivel colocar uma música relaxante e tentar não pensar em nada...no inicio é dificil, mas quando vc conseguir verá que opera verdadeiros milagres, eu faz tempo que não passo por isso e atribuo a minha vitória a estar em uma sintonia de pensamentos diferentes antes d dormir.
Ontem fui abduzida por um extraterrestre que me dopou....estava no sofá e derrepente me deu um sono descumunal, marido chamou eu tomei banho dormindo e deitei sem lembrar-me de ter aberto os olhos, acordei hoje depois de uma noite de sono pesado... mas sem sonhos ou pesadelos.]

Muita Luz e Paz
Abraços

MYSS disse...

Isso é mais comum do que você imagina. Sinto muito isso tudo, co frequência, mesmo... só não sabia que tinha esse nome. Passa. Posso garantir que passa...como tudo na vida. São fases mais pesadas, mais sombrias, mas que passam!!!