quarta-feira, 15 de agosto de 2012

Confiar desconfiando



Reza a lenda que mineiro é desconfiado por natureza. Não sei se por timidez ou ingenuidade, mas confesso que sou um dos seres menos desconfiados do planeta. Isso, por si só, já seria um problema, mas tenho um , um pouquinho maior: além de não desconfiar, não gosto que as pessoas pensem que eu estou desconfiando. Como assim? Eu raramente confiro o troco, não leio quando preciso assinar, e não gosto de questionar as indicações que me dão: penso que posso ofender a dignidade de outras pessoas. É claro que isso se reflete de duas maneiras prejudiciais: primeiro que me sinto ofendida quando desconfiam de mim, pois (ainda!) não consegui internalizar a ideia de que não é porque eu faço que os outros também devem fazer. Em segundo, vivo sendo lesada: raramente as pessoas correspondem à confiança que deposito nelas, então traem os meus segredos, me prejudicam nas “letras pequenas” dos contratos e, mais frequentemente, roubam o meu dinheiro.

3 comentários:

AnaCristina disse...

:-(

Adelaide Araçai disse...

Eu sempre estou agindo como gostaria que fosse comigo, mas como já trabalhei com advogados, contratos sempre leio e se tem espaço em branco eu risco...risco o verso(se estiver em branco) das folhas que assino (com a maior naturalidade...rsrs - qdo fui comprar o meu ap. o cara da imobiliaria falou assim depois vai o carimbo escrito "EM BRANCO" e eu naturalmente falei: assim não gasto teu carimbo.) E troco eu confiro por não gostar de receber dinheiro a mais (que as vezes acontece...e eu devolvo na hora).
Mas também já fui lesada várias vezes por ter sido muito ingenua, tenho pena da pessoa que o fez...certamente ela um dia passará pelo mesmo e se sentirá muito mal.

Muita Luz e Paz
Abraços

Bruno Andrade disse...

Também me sinto mal em conferir o troco na frente das pessoas e raramente desconfio delas. Mas como disse, quem paga o pato somos nós! :(