sexta-feira, 6 de julho de 2012

Desventuras em série


Hoje eu só preciso de um tempo para ser. Ser sozinha, ser em silêncio. No último mês aconteceram tantas coisas ruins encadeadas que eu estou me sentindo como um afogado: toda vez que eu coloco a cabeça para fora para tomar água, outra onde me atinge. Bateram no nosso caro e fugiram, eu derrubei meu HD externo e ele quebrou, e agora descobrimos que (pasmem!) apesar de termos mudado para a casa há dois anos nunca houve ligação de esgoto dela para a rua. Eu sei que podem parecer coisas pequenas: ninguém morreu e tudo pode ser resolvido. A questão é que essas pequenas coisas ruins que nos acontecem causam um desgaste emocional e físico inevitável: o tempo que você gasta discutindo, argumentando, implorando, fazem com que o dia fique estragado de vez se você não consegue se controlar – eu obviamente não consigo. Não consigo separar, ou brincar de Poliana, como me mandou fazer a minha mãe: to achando tudo um saco. A comida, as pessoas, o ar, o trabalho, tá tudo me irritando e não consigo me concentrar em nada. Para tentar me animar, estou ouvindo essa música faz horas, espero que vocês gostem.
Um fim de semana melhor do que o meu promete para todo mundo!

4 comentários:

Ana Cristina disse...

eu odeio a poliana!

patty disse...

Falam tanto nela, mas nunca descobri quem é essa tal de Poliana.
Bem, eu tenho incomodações, mas não deixo que arruíne toda a minha vida. Coloco tudo em compartimentos. Um contratempo não vai arruinar o meu dia.
Por falar nisso, vc já viu que os meus carros viraram alvos móveis, né? Primeiro foi o táxi em Belém e depois o meu carro aqui em Taquara. Tenho mais um carro, tenho andado com cuidado, é o único que restou!!! Já dei uma olhada para ver se ninguém pintou um alvo nele.
Sorry, bem que meu pai diz que eu tenho um humor negro.
Bjs.

Suzala Moura disse...

Tem semanas, meses que são assim mesmo...mas, muita calma nessa hora...logo as coisas se ajeitam e tudo volta à normalidade...beijos!

http://diariodasuu.blogspot.com

Flor Baez disse...

Toda crise é uma ótima oportunidade de mudança, de transformação e aprendizado. É bem mais fácil na teoria, né, mas é possível por em prática! Beijos!